Aedes aegypti: Índice de Infestação do mosquito está em alerta e cuidados devem ser redobrados

O Sercesa (Serviço de Controle de Endemias de Santa Adélia) divulgou esta semana o resultado da Avaliação de Densidade Larvária (ADL) do mês de abril, que mede o grau de infestação do mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

De acordo com parâmetro do Ministério da Saúde, o resultado é avaliado da seguinte forma: menor que 1,0 é satisfatório; de 1,0 a 3,9, alerta; e acima de 4,0, alto risco. Em Santa Adélia, o índice de foi de 3,75. Em janeiro, o índice era de 2,92%. Portanto, é preciso redobrar os cuidados.

Segundo a coordenadora do Sercesa, Fernanda Bolognini Franco, foram visitados 480 imóveis e encontrados 18 recipientes com larvas do Aedes aegypti: cinco bebedouros de animais, três pratos de plantas, três vasos de plantas, um recipiente de material de construção, três potes plásticos e três amostras encontradas no chão em locais com vazamentos.

O Sercesa orienta a população para que os cuidados sejam redobrados, eliminando assim qualquer recipiente ou lugar que possa acumular água nos quintais ou dentro das residências.

Até o dia 26 de abril, haviam sido feitas 361 notificações para dengue em Santa Adélia. Desse total, 102 casos foram confirmados, 157 descartados, o restante aguarda resultado. Um caso de chikungunya também já foi confirmado esse ano no município.

As equipes continuam realizando trabalhos de campo diariamente, eliminando os criadouros e fazendo a orientação da população. “Se trabalharmos unidos, eliminaremos essa doença de nosso município. Todos juntos somos mais fortes do que esse mosquito”, disse Fernanda.

Lembrando que qualquer recipiente que acumule água pode ser um possível criadouro do mosquito Aedes aegypti. É importante que alguns cuidados sejam tomados, como: lavar bebedouros de animais; não ter pratinhos em vasos de plantas; e principalmente eliminar qualquer tipo de recipiente que acumule água.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação